INTERNACIONALIZAÇÃO DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS: VANTAGENS E DESAFIOS

Armando João Dalla Costa, Naijla Alves El Alam

Resumo


A internacionalização de empresas viabiliza crescimento das vendas, oportunidades de parceiras e melhoria na qualidade dos produtos. Contudo, é desconhecida ou pouco utilizada pelas pequenas e médias empresas brasileiras. Vários fatores dificultam a entrada no mercado global, entre os quais estão os comportamentais, econômicos e financeiros. Com as empresas localizadas no Paraná, não é diferente. O estado continua sendo um dos maiores exportadores de commodities, mesmo contando com um significativo parque industrial. As Pequenas e Médias Empresas - PMEs paranaenses apresentam alta representatividade nas exportações em termos de quantidade, contudo, seu percentual de participação ainda é muito baixo. Oscilações econômicas, problemas logísticos, burocracia, falta de conhecimento da área internacional e mercado nacional favorável contribuem para a permanência da PME atuando apenas no país. O objetivo deste artigo é apresentar a importância do conhecimento no processo de internacionalização, direcionando a PME brasileira e principalmente as firmas paranaenses no acesso a novos mercados.

 

Palavras-chave: Internacionalização. Competitividade. Inovação. Pequena e Média Empresa.


Texto completo:

PDF

Referências


BERGSTRAND, Jeffrey H. Empresa Global: 25 Princípios para Operações Internacionais. São Paulo: Publifolha, 2002.

BUCKLEY, J. Peter; CASSON, C. Mark. The internalisation theory of the multinational enterprise: A review of the progress of a research agenda after 30 years. Journal of International Business Studies, 40, p. 1563-1580, 2009.

BRASIL. Decreto nº 7.819, de 03 de outubro de 2012. Dispõe sobre o Programa de Incentivo à Inovação Tecnológica e Adensamento da Cadeia Produtiva de Veículos Automotores – INOVAR-AUTO e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/Decreto/D7819.htm. Acesso em 17.05.2014.

BRASIL. Lei nº 11.966, de 21 de novembro de 2005. Dispõe sobre incentivos fiscais para a inovação tecnológica e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/lei/l11196.htm. Acesso em 17.05.2014.

BRASIL. Lei nº 8.248, de 23 de outubro de 1991. Dispõe sobre a capacitação e competitividade do setor de informática e automação e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8248.htm. Acesso em 17.05.2014.

BRASIL. Confederação Nacional da Indústria (CNI). Disponível em: http://www.portaldaindustria.com.br/cni/canais/rota-global/. Acesso em 08.05.2018.

BRASIL. Brazil4export - Catálogo de Exportadores Brasileiros. Disponível em: www.brazil4export.com.br. Acesso em 07.07.2018.

BRASIL. Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Disponível em: http://www.bndes.gov.br/SiteBNDES/bndes/bndes_pt/Institucional/Apoio_Financeiro/porte.htm. Acesso em 30.05.2016.

BRASIL. Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP). Disponível em: http://www.finep.gov.br/. Acesso em 10.03.2016.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior (MDIC). Disponível em: http://www.mdic.gov.br//sitio/interna/interna.php?area=5&menu=4761. Acesso em 20.08.2018

BRASIL. Palácio do Planalto. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2010/Decreto/D7345.htm. Acesso em 08.05.2015.

CARLSSON, B. E STANKIEWICZ, R. On the nature, function and composition of technological systems. Journal of Evolutionary Economics, 1, p.93-118,1991.

CEPAL/AL INVEST. Como melhorar a competitividade das PMEs na Europa, América latina e Caribe. Santiago de Chile, 2013. Disponível em: https://www.cepal.org/pt-br/publicaciones/3095-como-melhorar-competitividade-pme-uniao-europeia-america-latina-caribe-propostas. Acesso em 17.05.2015.

CIA – Central Intelligence Agency. Disponível em: https://www.cia.gov/library/publications/the-world-factbook/. Acesso em 15.07.2018.

CNIME – Conselho Nacional da Indústria Maquiladora. Disponível em: http://www.mic.gov.py/maquila/ES/quienes-somos-cnime.php. Acesso em 08.05.2018.

DALLA COSTA, Armando. Governo, erva mate, madeira e café na história da industrialização paranaense. Scripta Uniandrade. v. 1, n. 1, p. 21-43, 2003.

DOSI, G. Technological Paradigms and Technological Trajectories. North Holland Publish Company. Research Policy, 11, p.147-162, 1982.

DUNNING, J. H. Reappraising the Eclectic Paradigm in an Age of Alliance Capitalism. Journal of International Business Studies, v.26, p.461-491, 1995.

DUNNING, J. H. Explaining International Production. Unwin Hyman, n.1, p.13-40, 1988.

DUNNING, J. H. The Eclectic (OLI) Paradigm of international production: past, present and future. Journal of the Economics of Business, v.8, n.2, p.173-90, 2000.

FIEMT – Federação das Indústrias do Estado do Mato Grosso. Disponível em: http://www.fiemt.com.br/portal/?pagina=arquivo&arquivo=1330. Acesso em 15.05.2015.

FREEMAN, Christopher. The Deteminants of Innovation 1979. Revista Brasileira de Inovação, v.9, n.2, p.215-230, 2010.

FORBES BRASIL. Empresas brasileiras transferem produção ao Paraguai para cortar gastos. Disponível em: . Acesso em 05.03.2017.

HYMER, H. Stephen. The International Operation of National Firms. A Study of Direct Foreign Investment. MIT Press, p. 67-96, 1960.

HYBNER, Bruno Reinoso; PARNOFF, Cleber. As exportações paranaenses da indústria automotiva. Análise Conjuntural. v. 26, n.1-2, p. 13-14, 2004.

HEMAIS, Carlos A.; HILAL, Adriana. O Processo de Internacionalização na Ótica da Escola Nórdica: Evidências Empíricas em Empresas Brasileiras. RAC, v. 7, n. 1, p. 109-124, 2003.

ICC – International Chamber of Commerce. Disponível em: http://iccwbo.org/products-and-services/trade-facilitation/incoterms-2010/. Acesso em 08.05.2016.

IPARDES – Instituo Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social. Disponível em: http://www.ipardes.gov.br/index.php?pg_conteudo=1&cod_noticia=925

Acesso em 02.05.2018.

JOHANSON, Jan; VAHLNE, Jan-Erik. The Internationalization Process of the Firm—A Model of Knowledge Development and Increasing Foreign Market Commitments. Journal of International Business Studies, v.8, p.23-32, 1977.

JOHANSON, Jan; VAHLNE, Jan-Erik. The Uppsala internationalization process modelo revisited: From liability of foreignness to liability of outsidership. Journal of International Business Studies , v.40, p.1411 - 1431, 2009.

JORNAL ESTADÃO. Em busca de custos menores, empresas brasileiras abrem fábricas no Paraguai. Disponível em: https://economia.estadao.com.br/noticias/geral,em-busca-de-custos-menores-empresas-brasileiras-abrem-fabricas-no-paraguai,10000097591. Acesso em 05.03.2017.

KNIGHT, G.; CAVUSGIL, S. Innovation, Organizational Capabilities and the Born Global Firm. Journal of International Business Studies, v.35, p.124-142, 2004.

MAGALHÃES, Marion. Paraná: Política e Governo. Paraná: SEED – Secretária de Estado da Educação, 2001.

MAQUILA LEI. Secretaria Ejecutiva del Consejo Nacional de la Indústria Maquiladora de Exportación. Disponível em: www.maquila.gov.py. Acesso em 15.05.2015.

MATTSON, Lars-Gunnar; JOHANSON Jan. Marketing Investments and Market Investments in Industrial Network. International Journal of Research in Marketing, n. 2, p. 185-195, 1988.

MENDONÇA, Nascimento Maí. Cidade Industrial de Curitiba: 25 anos bem empregados. Paraná: Prefeitura Municipal de Curitiba, 1998.

MOEN, Oystein.The Born Globals A new generation of small European exporters. International Marketing Review, v. 19 n 2, p. 156-175, 2002.

MORGENSTERN, Algacyr. Porto de Paranaguá. Contribuição à História. 1.ed. Paranaguá: Distribuição Interna, p. 65-66, 2003.

OLIVEIRA, Denninson de. Urbanização e Industrialização no Paraná. 1.ed. Curitiba: SEED, p.20-29, 2001.

OVIATT, M. Benjamin. MCDOUALL, P. Patricia. Toward a Theory of International New Ventures. Journal of International Business Studies, p. 45-64, 1994.

PYKA, Andreas. HANUSCH, Horst. A Roadmap to Comprehensive Neo-Schumpeterian Economics. Elgar Companiono to Neo-Schumpeterian Economics 70, p. 1160-1170, 2007.

REVISTA RBI – Revista Brasileira de Inovação. Editorial. Janeiro/junho de 2003, v.2, p.16-18. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rbi/article/view/8648867/15405. Acesso em 08.05.2015.

REVISTA RPD – Revista Paranaense de Desenvolvimento. Editorial. Janeiro/junho de 2004, n.106, p.89-112. Disponível em: http://www.ipardes.gov.br/pdf/revista_PR/106/umberto.pdf. Acesso em 08.05.2015.

SECOM PARAGUAI – Setor de Promoção Comercial e de Investimento da Embaixada do Brasil em Assunção. Disponível em: http://assuncao.itamaraty.gov.br/pt-br/promocao_comercial_e_de_investimentos.xml. Acesso em 20.09.2017.

SOBEET – Sociedade Brasileira de Estudos de Empresas Transnacionais e da Globalização Econômica. Internacionalização das empresas brasileiras. São Paulo: Clio, 2007.

TRADEMAP – Trade Statistics for International Business Development. Disponível em: http://www.trademap.org/Country_SelProductCountry.aspx. Acesso em: 13/03/2018.

WESTPHALEN, C. Maria. Porto de Paranaguá, um Sedutor. Paraná: SEED - Secretaria do Estado da Cultura, p. 234-235, 1998.

VERNON, Raymond. International Investment and International trade in the Product Cycle. Harvard Graduate of Business Administration. Quarterly Journal of Economics, p.190-207, 1966.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN : 2527-077X

FESPPR - Faculdade de Educação Superior do Paraná